De Segunda a Sexta, 300 palavras por dia.

03
Jul 08

Era como se um vidro estivesse a atravessar a garganta da Maria, algo a rasgava, as dores gritavam. Uma banda sonora agridoce acompanhava o momento. As imagens não eram da vida do João, apenas de um filme que foi ver e foram suficientes para o fazer chorar. Ali na escuridão, onde ninguém o conhecia, deixou as lágrimas correrem, uma torneira estragada, mais tarde um oceano.

A única vez que me recordo de o ver a chorar já foi há algum tempo ou talvez tenha apenas sonhado com isso. O João não é de choros, é de fazer os outros chorar. Um especialista em partir corações de pessoas que lhe entregam tudo. Francamente, tem jeito! Interessa é ser bom em algo, mesmo que seja em algo repugnante.

Aquele filme mexeu com ele, foi para casa inquieto, entrou pelo apartamento, passeou-se por lá, talvez supondo encontrar algo. Pensamentos diferentes chegaram até ele sem qualquer controlo, magoavam-no, obrigavam-no a ver as coisas como elas eram. Ele só queria fazer as coisas bem, queria mesmo, mas custava-lhe tanto estar do lado certo.

No dia a seguir, quando o Sol nasceu, houve uma mudança radical na sua vida. Não acordou, não morreu. Simplesmente ficou a dormir, como se a consciência dele tivesse ancorado em algum porto incerto. E neste sono conseguiu chegar a uma distante terra da sua alma.

A paisagem era uma explosão de sensações, parcamente relacionada com a nossa realidade, sem cima, sem baixo, sem esquerda, sem direita, sem palavras, sem pensamentos, apenas uma eternidade de coisas sem nome prolongadas com diferentes intensidades em todas as direcções. Ao que parece viajou muito e encontrou uma mensagem mágica, o problema é que se esqueceu ao acordar. Mudou porque a partir desse dia nunca mais se traiu, foi um bom sacana o resto da vida.

publicado às 00:01
Autoria::

6 comentários:
Gostei muito deste texto, Jorge! Introspectivo... fluido... muito fiel a si próprio (tal como o João).
Raposa a 3 de Julho de 2008 às 12:37

és muito injusta cmg
Jorge a 3 de Julho de 2008 às 17:07

Sempre que posso pratico a (in)justiça...
Raposa a 3 de Julho de 2008 às 17:22

Bom sacana o resto da vida...
Sacanas há muitos!!
Jorge, tens uma forma simples de escrever que é muito agradável. Não corres à procura de grandes palavrões com grandes significados e isso torna o conto mais puro, não sacana.
Rosinha a 3 de Julho de 2008 às 17:20

Gostei:) Bom sacana para o resto da vida........hum,agrada-me:)
Parabéns pelos novos blogs, simplesmente interessantíssimos!!
xana a 3 de Julho de 2008 às 22:34

Já tinha saudades de quando te deixas levar ao sabor da escrita, calma e pausadamente. E, no final.... no final, fico em suspenso - no ar. Lentamente obrigo-me, então, a descer à realidade, à medida que me vou dando conta que terminou mais uma viagem de sonhador....
Pinguim a 9 de Julho de 2008 às 22:15

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
blogs SAPO