De Segunda a Sexta, 300 palavras por dia.

05
Nov 08

- É a minha mulher que os faz. - disse ele, com mais naturalidade do que eu esperava. - Já uso mp3 de percussão binaural, com ou sem mensagens subliminares, há anos. Tinha montes de fobias. De todo o tipo. E comecei a procurar maneiras de programar a minha mente, de romper o condicionamento avariado, por assim dizer.
- E foi logo para os mp3? - perguntei.
- Sim e não. A minha ideia era encontrar hipnotizadores baratos, mas entretanto, aconteceram duas coisas. Conheci a minha esposa, por quem me apaixonei logo, e descobri um mp3 de auto-hipnose na internet, que supostamente eliminava a timidez. Comprei-o, e foi o melhor investimento que fiz na minha vida! Depressa ganhei a coragem para a conquistar, e logo por sorte, um dos hobbies dela é a manipulação de sons. Ela gostou do conceito, e de lá para cá, tem-me feito os mp3 de que vou precisando para ir eliminando todos os meus problemas psicológicos, um de cada vez. Estamos a pensar comercializá-los, até!
Despedimo-nos, e ele foi-se. Eu fiquei na esplanada, à espera da mulher dele, para uma entrevista separada.
Ela chegou minutos depois. Respondeu às minhas perguntas, e basicamente contou a mesma história. No final, ocorreu-me algo que não resisti a perguntar.
- Portanto, você faz-lhe os mp3, com a sua voz, e sons programados por si, certo? Seja sincera: nunca lhe ocorreu condicioná-lo secretamente para algo que a beneficiasse a si?
Ela apontou para o meu gravador. Compreendi, e desliguei-o.
- Não faria diferença - respondeu. - Ele acredita que os mp3 têm mensagens subliminares especificas, mas não têm. Nem sequer têm voz nenhuma. Ele não sabe, mas usa o mesmo exacto mp3 há anos, para tudo.
- Então... Anda a enganá-lo desde o inicio?
- Não. Eu ajudo o meu marido a curar-se a si mesmo. E não terei remorsos se um dia isso me custar a confiança dele.

publicado às 00:01
Autoria::

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
blogs SAPO