De Segunda a Sexta, 300 palavras por dia.

07
Nov 08

Rafael conseguira chegar onde mais ninguém chegara antes dele (e possivelmente depois dele!): à ultima pergunta do concurso da TV “Quem Quer Ser Estupidamente Rico?”. Entre ele e uma pipa de massa estava apenas uma perguntinha. Já tinha esgotado todas as ajudas disponíveis, por isso ganhar ou perder estava inteiramente nas suas mãos. Rafael sentia a pressão da responsabilidade a comprimir-lhe os rins. O público fervia de antecipação na plateia e Mariana, a sua namorada, choramingava para um lenço de papel.

Tinha sido uma tarde esgotante de gravações e Rafael começava a sentir a falta de açúcar no sangue. Rafael naquele momento sentia tudo, o zunido do ar condicionado, o suor que lhe colava o rabo ao forro de napa do banco, que por sua vez era incrivelmente desconfortável, e fazia-lhe doer o rabo e as costas, um formigueiro que lhe crescia pelas pernas acima (provavelmente por causa da porcaria do banco!) e os olhos da namorada a queimar-lhe as costas com a promessa de passarem as férias a deambular por Nova Iorque.

Raios parta o Apresentador que nunca mais chama a pergunta!” pensou Rafael, que se começava a cansar da lenga-lenga incessante sobre o que faria ele com o dinheiro, se o ganhasse claro está!

Rafael! – começou o Apresentador – para poder ganhar o concurso “Quem Quer Ser Estupidamente Rico?” e levar para casa cem mil euros tem de responder a esta pergunta.

Finalmente!”

Rafael, para cem mil euros, diga-me: No blog “Palavras Contadas”, qual é a história que descreve a sua participação final neste programa?

Mas que merda de pergunta é esta?” Rafael sentia-se ultrajado pela injustiça e estupidez da situação “Filhos da mãe! P…”.

Inesperadamente, Rafael sentiu-se como se estivesse entre dois espelhos, a ver uma corrente de reflexos que se perdia no infinito. Então respondeu:

Ahhh… Centésima?!?

publicado às 00:01
Autoria::

comentário:
BOA
Flor a 7 de Novembro de 2008 às 21:02

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
blogs SAPO