De Segunda a Sexta, 300 palavras por dia.

29
Jul 08

Paula sofria quase todos os dias. Não conseguia aplacar a sua dor da sua perda. Sentia-se morta, vazia, dormente e incapaz de enfrentar o futuro. Decidiu enterrar o passado, assim como tinha feito o funeral ao marido.


Comprou uma bela caixa de madeira trabalhada, incrustada de marfim e madrepérola: bela urna para um belo passado.
 

Juntou ícones da vida partilhada e colocou-os nessa caixa. As fotos de ambos quando eram adolescentes, as alianças que usaram, ainda namorados, simples aros de ouro, plenos de amor e de sonhos, o primeiro disco comprado a meias, o primeiro livro devorado, dois a dois, juntos, encostados, no calor da cama, no seio da sua intimidade, o relatório do médico que trouxe à luz o inimigo que lhe levou parte da sua vida, que lhe rasgou o corpo ao meio, aquele monstro de células loucas, tresloucadas que se alimentaram vorazmente do cérebro de Manuel, uma folha rasgada do calendário do dia 5 de Janeiro, que bom seria arrancar todos os 5 de Janeiro do futuro, o último pijama que Manuel vestira e uma rosa amarelo torrado, flor que ele lhe oferecia todos os anos para lembrar e celebrar o dia em que se conheceram.

 

Ao olhar para o interior da caixa e a dor rasgou-lhe o peito mais uma vez. Fechou a caixa, lenta, muito lentamente, como a adiar o fim da sua vida.
 

No seu quintal, debaixo da nespereira pontilhada de amarelo torrado dos frutos maduros, Paula enterrou o seu passado. O peito rasgou-se ainda mais e ela deixou-se cair, encostada ao tronco da árvore e chorou silenciosamente, em paz. Deixou as lágrimas fugirem livremente, levando com elas a dor e limpando a alma.
 

Paula secou os olhos,
limpou a cara,
sacudiu a terra,
levantou-se
e pode enfim,
olhar em frente.

publicado jjnopants às 00:01
editado por Francesca Cortez em 03/07/2008 às 02:49

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO